CDI_On

Migramos do foco em resultados para uma visão holística e humanizada

Profissionais da comunicação nunca foram tão essenciais como agora

Migramos do foco em resultados para uma visão holística e humanizada

Por Ana Pais, head de Comunicações da Yara Brasil

 

Quem poderia imaginar que o ano de 2020 traria tantos desafios, mudanças e uma forma completamente diferente de agir? Estamos há oito meses em um ambiente completamente novo, trabalhando 100% à distância, administrando atividades que antes se mantinham separadas entre casa e escritório. E, nesse cenário de tantas incertezas, a Comunicação ganhou mais força de forma rápida, ágil e assertiva. As informações geradas na pandemia, tanto para o bem quanto para o mal, alçaram definitivamente a Comunicação de uma posição técnica ou emergencial – ainda interpretada desta forma por alguns – para o patamar estratégico e fundamental que realmente nos define. Os profissionais dessa área estão mais fortalecidos, pois contam com presença e voz em todos esses processos e decisões. Nunca trabalhamos tanto e tão intensamente ao mesmo tempo que convivemos com incertezas e pressões.

Este ano está sendo único em todos os sentidos. Além das dificuldades geradas por uma pandemia global nunca vista, enfrentamos também uma explosão de manifestações sociais – verdadeiras e polarizadas, como o movimento Black Lives Matter, nos Estados Unidos, que ganharam as ruas e pautaram mundialmente os índices de audiência das redes sociais. Em paralelo, vimos acontecer mudanças imediatas que, se antes levariam meses ou anos para serem implementadas, saíram rapidamente do papel para a execução.

O modelo de comunicação hierarquizado mudou de forma veloz para uma gestão voltada para a inclusão e diversidade, com o objetivo de mitigar as adversidades que a crise nos trouxe. Migramos do foco em resultados para uma visão holística e humanizada. Passamos da atuação centralizada e processual para o modelo agile e múltiplo. Engajar, oferecer informações esclarecedoras, ser fonte de credibilidade e assumir posições claras são pilares desta nova forma de atuar. Finalmente, vimos uma série de desejos tornando-se realidade: o líder assumiu de vez o papel de comunicador; as empresas saíram de um discurso imparcial – vulgo chapa branca – para uma fala de posicionamento; e a imprensa retomou o seu papel de protagonista em uma sociedade que sofre com a maldade das fake news. Diante disso, é necessário ter uma comunicação mais aberta e com posicionamento claro para os mais diversos temas estratégicos, como meio ambiente e relacionamento com a comunidade, entre outros. A comunicação mais próxima, transparente, colaborativa, com olhar para a diversidade e mais humana gera espaço para que todos falem e, dessa forma, permite que a sociedade saia mais enriquecida em seus valores básicos.  A crise trouxe uma demanda para as empresas olharem para a diversidade que já existia no radar, mas que agora tornou-se um compromisso que não deixará de ocupar o seu papel estratégico dentro das corporações.

Estamos chegando ao final deste período tão desafiador e que, com toda certeza, será inesquecível em nossas vidas. Sairemos melhores e mais experientes no exercício da comunicação para enfrentar 2021, com o cuidado de não perdermos o foco e as várias conquistas alcançadas nesse ano. Espero que o desânimo e a insegurança sobre o futuro da nossa profissão tenham ficado para trás. Afinal, nunca fomos tão essenciais quanto agora.