Influenciadores digitais: por que considerá-los nas estratégias de comunicação?

Uma pesquisa recente do Google mostrou que 56% dos brasileiros com acesso a TV e a web preferem os vídeos online, cujo consumo cresceu 90% nos últimos três anos. Neste cenário, o potencial de engajamento dos influenciadores digitais ou creators – os produtores de conteúdo digital – torna-se cada vez mais estratégico para as marcas.

Some-se a isso o fato de os termos “influenciador digital” e “youtuber” terem virado um dos temas do momento e terem sido amplamente expostos na mídia. Um efeito desse “boom” é o seu impacto no mercado de produtos licenciados: de acordo com a Associação Brasileira de Licenciamento, eles impulsionaram o setor em 2016, que fechou o ano com R$ 17 bilhões, e o crescimento esperado para o fechamento de 2017 gira em torno de R$ 18,7 bilhões.

Por esses motivos e pelos que listamos abaixo, é que temos visto uma busca crescente de marcas e agências de marketing e comunicação por influenciadores em suas ações e campanhas.

Por que considerar influenciadores digitais nas estratégias da minha marca?

– Engajamento e relevância

Presentes em todos os canais, os influenciadores digitais podem ter grandes ou pequenas audiências, mas o mais valioso é a sua afinidade e poder de engajamento com o seu público. E isto é o que os faz relevantes. Na hora de escolher um influenciador, analise a pertinência do segmento, mensagem e propósitos da sua marca com o público dele.

– Criação de conteúdo autêntico

O maior diferencial de um influenciador é a criação de conteúdo autêntico. Mais do que ninguém, eles sabem falar com os seus seguidores e seus conteúdos e linguagem os engajam. Sendo assim, a melhor estratégia com influenciadores é a liberdade para o processo criativo. Deixe o influenciador falar sobre a marca/produto do jeito que ele o percebe e do jeito que o público dele gosta e está acostumado.

– Mercado em amadurecimento

Por ser um mercado novo, não há fórmula pronta para o sucesso de ações com creators/ influenciadores. Um ponto importante é não confundir influenciador com mídia, apenas para comprar audiência. Para isso, comprar mídia do Facebook ou do Google pode ser muito mais vantajoso. A orientação aqui é que os objetivos da ação/campanha estejam bem alinhados entre os envolvidos, bem como o papel de cada um no processo.

Considere

Para trabalhar com influenciadores, não adianta só enviar produtos e esperar os resultados. O trabalho deve ter início com um mapeamento cuidadoso do influenciador certo, com análise de seu conteúdo, público, suas afinidades com a marca e seguir com a aproximação personalizada e estreitamento do relacionamento. Converse,  relacione-se e encontre pessoas que de fato possam gerar valor para sua marca.

 

Conteúdo baseado no artigo de Leandro Cervantes, head de Digital e Social Media da CDI, para o e-book Tendências de Marketing e Comunicação para 2018, do Grupo CDI.

Tendência de Marketing e Comunicação