4 tendências que estão agitando a comunicação e o marketing digital em 2018

Nos últimos anos, foram vários os avanços que mudaram a forma como os profissionais de comunicação e marketing digital trabalhavam. A automação, depois de um tempo engatinhando, levantou-se e decolou de uma vez. A política se aqueceu e as marcas escolheram lados em questões sociais.

Embora não possamos esquecer as lições do passado, há inúmeros novos desafios e oportunidades agitando o mercado em 2018. Para ficar à frente este ano, os profissionais de comunicação e marketing digital precisam acompanhar as tendências.

Além da inevitável ascensão do marketing de influenciadores, que já abordamos aqui, há uma série de tendências que deverão pautar o marketing digital em 2018. Nós já divulgamos algumas no e-book desenvolvido pelo Grupo CDI e neste post, vamos abordar o growth hacking, marketing programático, ferramentas do Facebook para o mundo físico e controle de voz. Vamos a elas:

  1. Growth Hacking

Os profissionais de comunicação e marketing digital já se acostumaram a trabalhar em equipe, mas o crescimento do hacking transformou a cooperação de um dever para uma necessidade.

Mas o que é Growth Hacking? Basicamente, é a estratégia que utiliza os canais de marketing digital, desenvolvimento de produtos, tecnologia, entre outros, para  identificar as formas mais eficientes de crescer.

Os profissionais de marketing podem se juntar a desenvolvedores, designers e outros departamentos para coletar os dados de segmentação necessários para projetar experiências que captem a atenção do cliente.

Empresas como Uber, Dropbox e Airbnb explodiram usando essa técnica. Ao entrar no Dropbox, por exemplo, você recebe um gigabyte de espaço livre. Se você quiser mais espaço, basta convencer seus amigos a entrarem no serviço usando um link específico para sua conta. Seu amigo recebe um gigabyte livre para usar esse link, o Dropbox oferece outro gigabyte de espaço livre e ganha mais um usuário. É um cenário de ganha-ganha-ganha.

  1. Marketing Programático

A maioria dos profissionais de comunicação e marketing digital já deve ter ouvido falar de marketing programático (que significa basicamente um marketing de ações realizadas por sistemas de computadores, ficando a cargo das pessoas apenas a estratégia), mas poucos sabem como fazê-lo bem. A previsão é que isso mude até o final deste ano, especialmente para empresas B2B.

Companhias como o LinkedIn já começaram a oferecer opções aprimoradas para segmentar públicos-alvo. As empresas menores ainda lutam para se adequar às capacidades de direcionamento, mas ferramentas mais acessíveis mostram que a alfabetização programática se tornará essencial.

Considerando que alguns estudos sugerem que o marketing programático poderia ser responsável por mais de 80% de toda a publicidade até 2019, fica claro que já este ano conseguiremos ver esse crescimento.

Agora, por exemplo, temos a capacidade de ter anúncios automatizados e ajustados em toda a Internet. Isso inclui TVs inteligentes, Facebook, Google e inúmeros outros caminhos. Esses anúncios podem usar inteligência artificial para se ajustarem com base no que funciona e no que não funciona.

  1. Ferramentas do Facebook para o mundo físico

O marketing digital vive principalmente no ambiente online, mas o Facebook  está fornecendo ferramentas que prometem invadir o mundo físico. As visitas à lojas, por exemplo, permitem que empresas com vários locais promovam facilmente seus negócios para as pessoas que estão próximas.

O Facebook também lançou uma ferramenta de conversões offline, que ajuda as empresas a ver quais transações em locais físicos derivam de pessoas envolvidas com anúncios no Facebook. Isso elimina qualquer especulação relacionada ao ROI de marketing digital, permitindo que você veja exatamente o quanto seus anúncios funcionaram.

  1. Controle de Voz

Amazon Alexa e Google Home chegaram com tudo. À medida que mais consumidores se sentem à vontade para hospedar microfones em suas casas, os profissionais de marketing digital logo terão a oportunidade de aproveitar esse acesso sem precedentes.

Como sua marca pode alavancar a voz? Pense em questões naturais que seus clientes possam ter e encontre maneiras de capitalizá-las. Por exemplo, o Tide criou uma habilidade no Alexa que permite que as pessoas perguntem ao dispositivo como remover várias manchas.

Quando alguém pergunta como remover uma mancha de vinho, o Alexa pode lançar uma recomendação sutil da Tide. Pense nas maneiras pelas quais as pessoas podem usar o controle de voz e trabalhe para fornecer soluções.

O controle de voz complicará alguns aspectos do marketing, por exemplo, a otimização de mecanismos de pesquisa. Quando você diz “Hey Alexa, eu preciso de um novo computador”, ele vai enviar a primeira opção para você em uma pesquisa rápida.

As marcas que pagam para estar no topo desses resultados de pesquisa provavelmente verão um aumento nos negócios. É semelhante às barras de chocolate e refrigerantes que vemos nos supermercados – essas empresas pagam pelo melhor posicionamento.

Sem dúvida, algumas tendências surpreendentes vão aparecer antes do final de 2018. Embora seja impossível prever tudo no cenário de marketing digital, que é  frenético, essas quatro tendências provavelmente irão mudar muito o mercado. Ao permanecer de olho nessas tendências, os profissionais poderão ter uma vantagem inicial no mundo do marketing de amanhã, muito antes delas chegarem.